domingo, 29 de julho de 2007

"Eu verdadeiramente amei"



Piassa...


O papel e eu nos encontramos hoje,
logo cedo para falamos do medo
de anoitecer em branco .
Trocamos sentimentos,sensações e as
varias emoções,cheias de tempo.
Sentamos no chão recostamos no canto .
As lagrimas me vieram, quentes vertentes da alma,
molhou o papel, borrou a escrita.
Saiu livremente,correu e tocou o piso,
salpicou de gotas, que vertiam do meu ser que
chorava,não por te perder,mais por ter sido abandonado,
num ato de covardia,no momento que mais lhe queria
chorei sim mais por nunca ter sido amado
como eu cria .
E eu que achava que eramos cumplices .
Eu que achava que tuas juras de amor eram
verdadeiras .
Mal eu sabia que oque eu representava
era só a segurança da tua covardia.
Se pequei, pequei por te amar, por acreditar
em tuas mansas palavras, em teus encantos
de mulher desejosa de amor .
Pequei sim por te amar, comi de tua mão
por acreditar ser teu Homem, teu amado.
Pequei sim por te desejar como esposa .
Tentei com meu carinho te ouvir até madrugadas
a dentro,em tuas vertentes solidão,acompanhei tuas
decepições,teus fracassos e iluzões,
me fiz calado,em teu respeito me
permiti ser tocado,
imovel para teu prazer .


Debrusei minha alma, aos teus encantos, me
feri como fera afoita, me machuquei mais ainda assim
te amei .
Te fiz mulher, te fiz se sentir amada desejada,
despertei tua vida .
Profetizei vida nova, acompanhei a trajetoria,
adoeci a tuas dores as tuas perdas, orei chorei tuas lagrimas .
E quando todos te abandonaram, o forte ali estava em guarda,
não para roubar-lhe a graça, mais para amparar tuas,
queixas tuas dores, teus clamores .
E hoje eu e o papel nos encontramos, logo cedo
para as ultimas suplicas, que vem em dores de parto de alma ferida.
Faço me valer de querer te odiar, não mais desejar teus
encantos, teus remanços tuas juras, tuas carencias nossos segredos .
Quero me ver distante o mais longe possivel, para não te querer.
Lamento profundamente ver você tão longe do é real, pois essa tua louca visão.
Hoje lança fora um amor verdadeiro .


Um amor que já foi tuas juras na solidão,
dos que te abandonaram.
Faz me crer que isso é o certo .
Pobre de ti quando tuas fichas cair e você se aperceber,
que os que te pregavam mal sabiam oque falavam,
e os que me acusavam, já não se encontram ao teu redor .

Talves ai você possa medir oque lhe falta .
E aquele ao qual acusavam, era na verdade a tua cara metade.
Oque a ti entendia e desejava .
Oque ati amava mais que a propia vida .
Ainda com dores de amor, dores de parto
desejo decepar tua presença do meu lado .
Eu verdadeiramente AMEI...

Um comentário:

Susy disse...

Adorei! ;)